Desvirtude conceitual

Poema em Post Sem comentários »

Ele não parava um só minuto: “Por que?”. Eu respondia “por que não?”.
Em seguida perguntava: “Como?”, mas como não? E não tardava e perguntava “Quando?”, para ouvir “não espere não”.
E se me diz “Pare”, eu não paro não, mesmo que diga “Morra!”, eu sinto muito, mas chato não morre.
É a desvirtude conceitual do indivíduo otimista: ser negativo e provocativo.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas Seja o primeiro a votar!
Loading ... Loading ...
Designed by NattyWP Wordpress Themes.
Images by desEXign.