Claustrofocamentebia

Poema em Post 4 comentários »

Por maior que pareça ser o universo, Klaus sentia-se preso. Seu loft de 300 m2 era dividido por móveis baixos, detalhes na decoração e tapetes lisos, mas isso não era suficiente para o seu conforto. “Quem inventou portas de banheiro?” – perguntava entre tetos retráteis e carros conversíveis – aliás, se não fosse conversível preferia andar à pé. Não sabia o porquê desse sentimento, e nesse momento, odiava-se por manter a dúvida presa em si – talvez as dúvidas sentissem o mesmo que ele…

E de tanto assim pensar, pensou estar preso em suas próprias idéias. A lua presa na noite, a noite presa entre dias, os dias presos no tempo, o tempo preso nas horas. Ninguém mais agüentava Klaus, o claustrofóbico. Foi ao bar e abriu a primeira garrafa de whisky da noite. Imediatamente concluiu que não podia deixar todo aquele líquido preso dentro da garrafa… e, pensando nisso e nas outras garrafas do bar, passou a esvaziá-las uma atrás da outra. Ufa!

Completamente bêbado, com a barriga estufada, pensou em todo aquele líquido preso dentro dele e tonteou. Tonteou uoetnot e vomitou… e vomitou como nunca. E de tanto vomitar, vomitou até virar do avesso. Finalmente saíra de dentro de si mesmo – Klaus agora estava livre. Ah! se ele soubesse disso antes.

1 estrela2 estrelas3 estrelas4 estrelas5 estrelas Seja o primeiro a votar!
Loading ... Loading ...
Designed by NattyWP Wordpress Themes.
Images by desEXign.