Clara

Poema em Post Add comments

Lá vinha Clara, a minha negrinha predileta. Canela fina, carinha de safada e bunda arrebitada. Coisa mais linda! Dançava até com assovios, e como os ouvia, viu, viu. Cabelo emaranhado, shortinho azul, regata branca sem soutien, lá vinha Clara torcendo pescoços e causando de brigas conjugais.

Naquele dia, o mais sério soltou uma cantada infame pra Clara, o mais triste sorriu para Clara, o mais convencido curvou-se para Clara, o mais imbecil recitara Drummond e o mais feio passara baton. Naquele dia o mais sujo tomara banho, e passara perfume só para Clara, o mais rico prometeu uma boa ação, e o mais pobre financiou uma mansão. Naquele dia o mais tolo pregou uma peça, o mais religioso falou palavrão, e eu, como também não me contive, tive uma ereção.

Ah! Clara, atravessou distraída a rua, dançando com a buzinada do Pegeout, mas infelicidade, uma Mercedes a matou. E que Mercedes! Branco como a neve, esportivo como um cânion. O mais simples invejou aquele carro, o mais jovem disse que ia ter uma quando crescesse, e o mais baixo cresceria um montão, e eu, como não me contive, tive outra ereção.




4 Responses to “Clara”

  1. Gui Atenção:

    Poww, senti algo do tipo, machismo a flor da pele? Sarcasmo e apologia ao capitalismo novo burgues, adoração a maquina, triste comparação de uma ereção inutilizada?????

  2. BonDeLaire Atenção:

    Sentimos pois vivos estamos!
    BonDeLaire sente muito…
    e adora causá-los também.

  3. Elminerim Atenção:

    Muito bom. Quando Algo chamado de puro ou a isso assemelhado se revela safado e violento provocando ereções encontramos um rapaz apaixonado pela força da vida e pela pura e simples emoção. Machismo? acho que tá mais pra humanismo.

  4. Nina Atenção:

    Demasiado humano!

Leave a Reply

Designed by NattyWP Wordpress Themes.
Images by desEXign.