Luxúria

Poema em Post Add comments

Aquela cidade era quente. Dia e noite não havia um lugar que não deixasse você todo suado, melado, fedido.

Maurício, quando chegou vindo de longe, duvidava que um lugar daqueles existiaria. Estava mais de 40 graus e nem sinal de uma praia. No meio da rua, um rodamoinho de poeira com o bafo que vinha de todos os lados. As pessoas, quase sempre cabisbaixas, vagarosas, passavam por ele e desviavam os olhos quase como envergonhadas.

Realmente só descobriu o nome da cidade quando viu aquele homem todo de vermelho e com rabo em forma de seta.
Lamentou: “PUTA MERDA! destrui minha Ferrari!”




Leave a Reply

Designed by NattyWP Wordpress Themes.
Images by desEXign.